+55 11 3446-8380 [email protected]
Tempo de leitura: 5 minutos

A falta de proteção de dados pode colocar o negócio em risco de diferentes maneiras. Veja como se preparar para que isso não ocorra!

A lei federal 13.709/2018 informa como deve ser o tratamento e a proteção de dados no que tange à dados pessoais. Com surgimento de tal regra, há deveres que impactam diretamente na gestão corporativa, como a obrigatoriedade de informar explicitamente a finalidade da utilização das informações de clientes e a necessidade de autorização para utilizar essas informações.

Os textos legais fazem distinção entre os dados normais ou dados sensíveis que exigem total sigilo e incluem aspectos como: questões íntimas, religião, ideologia política, etnia, raça, condições de saúde, entre outros conteúdos pessoais.

Quais os desafios que uma empresa pode ter com a lei da proteção de dados?

Na finalidade de evitar punições, é aconselhável preparar a empresa para lidar corretamente com os deveres legais do uso de dados. Advertências, medidas corretivas, multas, bloqueio, suspensão ou perda do direito de uso de base dados, são consequências para empresas que não cumprirem com as regras exigidas por lei.

Mas, para atender essas normas impostas, existem desafios e as principais você confere a seguir:

1. Mapeamento criterioso

Inicialmente é preciso mapear cada um dos departamentos internos quanto ao tratamento de dados e sistema de coleta. Depois de analisar as condições dos setores, a organização deve listar algumas ações específicas para cumprir com as exigências legais.

Procure ser o mais criterioso possível ao construir um mapa das demandas, pois se algum detalhe passar, pode acarretar em problemas futuramente.

2. Complexidade da configuração e conformidade com regulamentos

Para proporcionar ofertas mais precisas, algumas empresas utilizavam analytics e big data sem autorização dos donos dos dados compartilhados. Porém, agora isso não representa uma prática permitida. É necessário criar mecanismos para solicitar a autorização antes do uso das informações.

Lembrando que todas as considerações da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) devem ser ajustadas em procedimentos e sistemas internos, o que requer um plano complexo e consistente.

3. Operação de sistemas de defesa

Aplicações para proteger dados são difíceis de serem operadas por gestores que desconhecem conceitos teóricos e práticos com relação à segurança.

Contratar empresas terceirizadas para realizar essa proteção também não é barato. Além disso, há a insegurança de deixar a operação nas mãos de terceiros, longe da equipe interna e dos olhares atentos de diretores.

Assim, a defesa de dados é melhor feita quando existe uma operação, dentro da organização, dedicada à gerência dos sistemas.

4. Falta de soluções para a proteção de dados

Além de pagar por soluções terceirizadas, sua empresa também pode ser que precise ter algum profissional capaz de integrar o sistema de proteção e monitorá-lo para identificar as vulnerabilidades.

Algumas estruturas de dados são complexas ao ponto de não se integrarem com perfeição nas soluções populares, o que pode requerer um trabalho complexo em documentação API (Interface de Programação de Aplicativos).

Como é possível se preparar contra a falta de proteção de dados?

É custoso proteger os dados, porém, é mais vantajoso ter esse tipo de preocupação do que sofrer as punições legais. Para isso, coloque em prática os seguintes pontos essenciais: 

Investimentos financeiros

Invista nos fiscais de gerenciamento de dados, profissionais especialistas e nas tecnologias auxiliares ao processo. Entre as diversas penalidades pela falta de segurança dos dados, está a multa que pode chegar a até R$ 50 milhões.

É mais barato investir na proteção de dados do que correr o risco de cometer uma infração milionária.

Base personalizada para tratar dados

Se preocupe em solicitar o consentimento para qualquer uso dos dados dos consumidores. Esse pedido pode acontecer por retargeting, e-mail, páginas específicas no site de vendas que especificam as políticas de data base, entre outras formas.

Depois separe cada cliente em uma base de diferentes grupos como: autorizados a receber e-mail com promoções, ofertas personalizadas conforme o analytics, publicações no feed de notícias das redes sociais e assim por diante. Tenha tudo muito bem documentado.

Cultura de segurança

Incentive as boas práticas para a equipe saber trabalhar melhor com dados, ressaltando a responsabilidade existente no tratamento. Cursos de formação ou treinos são excelentes práticas que costumam gerar resultados positivos.

Quando todos trabalham em conjunto e sabem agir em cada situação, a empresa terá mais facilidade em se alinhar com a LGPD. 

Quer receber outras dicas sobre proteção de dados? Então assine a nossa newsletter!